ASA promove Encontro Nacional que valoriza sabedoria dos campesinos/as do Semiárido e estimula interação do saber popular com a ciência

Por MPA
Idioma Portugués
País Brasil
- Foto tomada del sitio web El Heraldo de Saltillo.

"Com o tema “Diálogo entre a sabedoria popular e a ciência para a construção dos conhecimentos para a convivência com o Semiárido”, o encontro vai ser mais um momento para reforçar entre os campesinos e campesinas o quão valioso e fundamental são os saberes deles para a agricultura familiar agroecológica e a convivência com a região".

“A capacidade do sertanejo, sertaneja, da pessoa do Agreste, dos mais de mil ecossistemas brasileiros que estão no Semiárido, foi construída ao longo da história e que, de alguma maneira permitiu que nós todos aqui estivéssemos. É uma construção, ela [a capacidade de criar] não é de alguém que tem o dom da sabedoria, mas é [resultado] de um acúmulo e de um processo que foi construído e diria assim que, de certa forma, está no DNA de todo mundo. A questão é despertar isso. É fazer isso aparecer, você lembrar de fazer as práticas, é ser provocado”.

Assim Vilmar Lermen, agricultor agroflorestal da Serra dos Paus-Dóias, situada no lado pernambucano da Chapada do Araripe, se refere a uma característica intrínseca, natural, que está gravada no código genético dos povos do Semiárido: a grande capacidade inventiva para criar soluções que respondam aos constantes desafios trazidos na relação com a natureza.

Como Vilmar, vários agricultores e agricultoras familiares já têm bem despertada essa capacidade, que vai sendo aguçada em outras pessoas através de inúmeros momentos de trocas. Grande agricultor experimentador, Vilmar vai participar do V Encontro Nacional de Agricultoras e Agricultores Experimentadores (V ENAE), em Juazeiro do Norte, no Cariri cearense, de 12 a 15 de fevereiro. O evento é realizado pela ASA com o apoio do Banco Nacional de Desenvolvimento (BNDES).

Vilmar estará com cerca de 250 pessoas, na sua maioria agricultores e agricultoras experimentadores/as dos 10 estados do Semiárido brasileiro (de Minas Gerais ao Maranhão), e também representantes de instituições de pesquisa e de organizações de fortalecimento da agricultura familiar e parceiros.

“A ASA [Articulação Semiárido] diz que a convivência com o Semiárido se constrói e se inicia a partir da vida dos agricultores e agricultoras. Sendo assim, são as famílias agricultoras que precisam estar no centro das trocas de conhecimento, nas oficinas, nos intercâmbios. Esse é o espírito dos encontros nacionais de agricultores/as experimentadores/as”, assegura Marcos Jacinto, membro da coordenação executiva da ASA pelo estado anfitrião do encontro.

Com o tema “Diálogo entre a sabedoria popular e a ciência para a construção dos conhecimentos para a convivência com o Semiárido”, o encontro vai ser mais um momento para reforçar entre os campesinos e campesinas o quão valioso e fundamental são os saberes deles para a agricultura familiar agroecológica e a convivência com a região.

“Esta grande região [o Semiárido] tem mais de 1 milhão de km2 e cerca de 25 milhões de pessoas que aqui moram, trabalham e, de uma forma ou outra, aqui convivem, seja pela sua experiência, pela sua capacidade, seja por alguma política pública, algum tipo de intervenção, mas fundamentalmente pelo acúmulo de técnicas, tecnologias, conhecimentos, ciência, saberes, da soma com a pesquisa. Tudo isto é fundamental”, acrescenta Vilmar.

A soma com a pesquisa que Vilmar se refere é também outro objetivo do encontro. A partir desta aproximação, a ciência valida o saber popular. E os campesinos/as – considerados/as atrasados e incapazes de produzir alimentos para responder à necessidade da crescente população mundial – têm seu saber reconhecido e valorizado.

Um exemplo desta aproximação são as pesquisas que comparam as variedades crioulas, melhoradas há séculos pelas mãos e saberes dos/as campesinos, com as variedades convencionais, melhoradas por instituições de pesquisas.

- Foto por Elka Macedo/Arquivo ONG Caatinga

Estes estudos, realizados na Paraíba, em Sergipe e no Ceará, pela Embrapa em parceria com organizações que fazem parte da ASA, com variedades crioulas de milho e de feijão, têm confirmado o que os agricultores e agricultoras sabem desde sempre: que as sementes crioulas são adaptadas às características ecológicas do Semiárido e respondem a contento a todas as necessidades de quem as planta.

Esse reconhecimento produz argumentos que dão força aos questionamentos feitos aos programas públicos inadequados, como o de distribuição de sementes que doam exemplares não adaptadas à região.

A partir de fevereiro, a ASA em parceria com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e financiamento do Banco Nacional de Desenvolvimento (BNDES) inicia um projeto para ampliação das pesquisas sobre as sementes crioulas no Semiárido que são realizadas envolvendo os saberes dos/as agricultores/as. Através desta iniciativa, em sete territórios da região, em quatro estados – Bahia, Pernambuco, Paraíba e Piauí – haverá estudos para averiguar as qualidades de germinação, produção e outras das variedades genéticas de domínio das famílias agricultoras.

Programação do V ENAE – Nos três dias e meio do encontro no Cariri cearense, serão constantes os momentos de trocas entre os participantes, seja de conhecimento, seja de insumos naturais como as sementes crioulas. Haverá plenárias, oficinas, visitas de campo, feiras e exposições (programação em anexo). Na feira de Saberes e Sabores, por exemplo, haverá espaços reservados tanto para as sementes crioulas, quanto para a apresentação das inovações geradas com a experimentação de agricultoras e agricultores.

Na tarde da quinta-feira (14), também está previsto um ato público na colina do Horto de Padre Cícero para celebrar a capacidade e o potencial da agricultura familiar de produzir alimentos sem agrotóxicos e de forma harmônica com a natureza. O ato também é um protesto contra a extinção do Conselho Nacional de Segurança Alimentar (Consea), através da Medida Provisória 870/19, publicada no dia 1º de janeiro.

Na ocasião, haverá um banquete com alimentos produzidos pela agricultura familiar em todos os estados do Semiárido para degustação dos presentes. Será o primeiro banquete público com este fim. Outros estão sendo organizados para o dia 27 de fevereiro em diversas cidades de todo o Brasil. O Banquetaço, como está sendo chamado o ato, é organizado por um coletivo apartidário que congrega a sociedade civil, movimentos sociais, organizações e profissionais.

Agrotóxicos – Além de ser momento de protesto, o banquete também vai celebrar a produção de alimentos sem agrotóxicos ou qualquer outro insumo tóxico e de forma harmônica com a natureza pela agricultura familiar agroecológica no Brasil. Desde 2008, o país é líder mundial no uso de pesticidas e tem uma legislação permissiva para a aplicação de substâncias altamente tóxicas – como o glifosato, utilizado em quantidade cinco mil vezes maior do que o permitido na União Europeia. Portanto, a produção agroecológica de alimentos é um ato de extrema resistência a favor da saúde pública e a favor da preservação ambiental, que precisa de todo apoio da sociedade para ser, cada vez mais, ampliada.

Mais informações:

Verônica Pragana: 81 99772.2882 (zap)

Fonte: Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA)

Temas: Agricultura campesina y prácticas tradicionales, Saberes tradicionales

Comentarios