bienvenidas y bienvenidos a

Biodiversidad en América Latina y El Caribe

Link de este artículo: http://www.biodiversidadla.org/Principal/Secciones/Noticias/Em_90_do_Brasil_mudancas_no_clima_reduzirao_abelhas_e_afetarao_alimentos
Autor Phillippe Watanabe Idioma Portugués Pais Brasil Publicado 17 agosto 2017 09:19

Em 90% do Brasil, mudanças no clima reduzirão abelhas e afetarão alimentos

| Más

"Precisamos entender melhor essas relações entre polinizadores e culturas agrícolas para preparar programas de conservação. As abelhas e polinizadores são prioritários. Se esses cenários se confirmarem, ficaremos em uma situação muito complicada quanto à produção de alimentos, diz Giannini".

Na prateleira dos mercados, feijão, abacate e aquecimento global –que irá impactar animais polinizadores e, consequentemente, os alimentos dependentes deles. No Brasil, cerca de 90% das cidades (entre as 4.975 que foram analisadas) sofrerão redução no número de abelhas, importantes para a polinização.

Os pesquisadores se concentraram em 13 culturas agrícolas que possuem robusta base de dados, ou seja, com determinações sobre produtividade, localização, dependência de polinizadores e polinizadores efetivos –fatores com efeito real para polinização.

"Temos uma carência gigantesca de dados. Não sabemos quantas culturas existem no Brasil, mas devem ser centenas", afirma Tereza Giannini, autora do estudo e pesquisadora do Instituto Tecnológico Vale.

Ao todo, o Brasil tem 5.570 municípios, de acordo com o levantamento mais recente do IBGE, dos quais 4.975 foram analisados. Os que ficaram de fora da análise, não possuem dados sobre a produção ou realmente não têm as culturas estudadas: acerola, abacate, feijão, coco, café, algodão, goiaba, tangerina, maracujá, caqui, girassol, tomate e urucum.

Giannini afirma que alterações nas produções de espécies com alto valor de produção, como café e algodão, podem ter impactos significativos na economia. Estudos anteriores calculam que as mudanças climáticas podem custar entre US$ 4,9 bilhões (R$ 16,6 bi) a US$ 14,6 bilhões (R$ 49 bi) para o Brasil.

A pesquisa levou em conta as 95 espécies de abelhas relacionadas às plantações estudadas. Segundo Giannini, em média no país, haverá uma redução de 13% na ocorrência desses animais.

Contudo, essa taxa tem grande variação pelo país e os municípios mais afetados ficam no Sul e Sudeste, com risco de redução de polinizadores de até 60%. As plantações de girassol e tomate de cidades de Minas Gerais seriam as que mais sentiriam a redução. Antonio Saraiva, cientista da USP e um dos responsáveis pelo estudo, afirma que as conclusões da pesquisa trazem "as mudanças climáticas para o bolso e para a barriga das pessoas".

"Ter perda ou deslocamento dos polinizadores afeta a produção. Isso causa impactos em empregos e na renda local, e nos preços dos produtos pela diminuição da oferta", afirma Saraiva, que ressalta que a questão dos preços não foi tratada nas análises.

De forma geral, as produções de goiaba, tomate, café e tangerina serão as mais afetadas.

Para dimensionar o impacto do aquecimento global na ocorrência de abelhas, a pesquisa considerou um aumento de temperatura de 2°C a 4°C até 2050 –seguindo dados do IPCC (Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas, da ONU).

"Precisamos entender melhor essas relações entre polinizadores e culturas agrícolas para preparar programas de conservação", diz Giannini. "As abelhas e polinizadores são prioritários. Se esses cenários se confirmarem, ficaremos em uma situação muito complicada quanto à produção de alimentos."

Uma forma de, pelo menos, amenizar a redução e migração de polinizadores seria, a partir de mais plantas amigáveis às abelhas, disponibilizar outras fontes de alimento e ninho. "Isso pode ser feito de maneira a não impactar muito as atividades humanas", diz Saraiva.

O pesquisador da USP afirma que espécies vegetais que produzam néctar e pólen podem ser plantadas em faixas de terra não utilizadas e em beiras de estrada. Em meio a plantações, poderiam ser cultivadas plantas que proporcionem alimento para as abelhas mas que não provoquem competição por nutrientes.

"A outra opção é rever áreas destinadas à agricultura e, eventualmente, aumentar as regiões de matas preservadas", afirma Saraiva. O estudo foi publicado nesta quarta-feira (9), na revista científica "Plos one".

Fonte: Instituto Humanitas Unisinos - ADITAL


¡Comente este artículo!

| 1999-2017 Biodiversidad