Revista Biodiversidade, sustento e culturas (portugués)

Revista Biodiversidade, sustento e culturas N° 98 (versión Portugués)

É urgente romper as inércias que nos perpetuam em situações de opressão, confusão e fragmentação individual e mútua, mas nem tudo o que aparece como novidade pode, nem deve, substituir o que tem se mantido por anos, séculos e milênios, e é fruto do legado comum que tecemos nas conversas entre nossa so - ciabilidade e a sociabilidade da natureza: entre nós mulheres e nós homens. 

Revista Biodiversidade, sustento e culturas N° 98 (versión Portugués)

Revista Biodiversidade, sustento e culturas N° 97 (versión Portugués)

"Defendamo-nos e impeçamos a invasão e a monopolização. Sejam empresas ou países estrangeiros. Sejam os Estados Unidos, a China, a Rússia ou qualquer bandeira que se arrogue o poder de submeter países, comunidades, regiões, com seus bens comuns, suas riquezas materiais e espirituais. Esse sentido de não nos deixarmos é talvez o mais extremo e crucial dos nossos cuidados."

Revista Biodiversidade, sustento e culturas N° 97 (versión Portugués)

tapa port

Em dezembro de 2017, houve uma enorme mobilização em Buenos Aires, Argentina, em protesto contra a flagrante interferência da Organização Mundial do Comércio (OMC) em todos os aspectos da vida. O chamado "livre mercado" com suas normas "comerciais" busca substituir o governo no planejamento, aquisição, gestão, administração, regulação, execução e avaliação de todos os tipos de políticas, iniciativas e projetos, além da supervisão e vigilância, mais a contenção e repressão.

Revista Biodiversidade, sustento e culturas N° 95 (versión Portugués)

portadaBiodiversidad 85 web

A foto da capa nos mostra o trabalho duro, constante e valente de camponesas e camponeses da Colômbia em sua resistência habitual contra todas as forças e obstáculos que o Estado e as corporações lhes impõem cotidianamente, tentando desabilitar seus esforços, e assim tê-los submissos e em situação de precariedade: condição necessária para lhes impor os mais depreciáveis desígnios.

Revista Biodiversidade, sustento e culturas N° 85 (versión Portugués)

Portada Bio 84

Nos urge defender nossos territórios do extrativismo e da violência que nos têm destinada.E neste horizonte,o espaço de reáexões que oferecemos desde Biodiversidade, Sustento e Culturas quer somar vozes, razões, entendimentos, visões do que são os ataques e as propostas de resistência e lutas reais, ou imaginadas, mas, convocadoras. Necessitamos nos reconstituir como sujeitas e sujeitos de nossos próprios processos de entendimento e transformação.

Revista Biodiversidade, sustento e culturas N° 84 (versión Portugués)

portada83

A resistência cresce. A guerra contra os jovens desencadeada em várias partes do mundo, com particular sanha no México e Centro América, teve uma repercussão inusitadamente mundial, que vem articular muitas outras lutas e resistências que estavam aí. O embate contra os jovens vem fortalecer uma renovada mobilização nas ruas, mas também uma busca por entender mais, entender com outras e outros, trabalhar por nossa reabilitação como sujeitos, como atores e atrizes da nossa própria problemática e circunstância, recuperando saberes, a memória territorial do nosso entorno e suas estratégias de trabalhar para produzir alimentos próprios, nos educar, cuidar da nossa saúde, recuperar formas da justiça mais próximas e reais.

Revista Biodiversidade, sustento e culturas N° 83 (versión Portugués)

portada.80

"Vinte anos. Data mítica que a memória volta e volta a invocar. Com este número 80, Biodiversidade, sustento e culturas cumpre tal ciclo: vinte anos de ir tecendo ou plantando, de ir armando ou construindo, de articular, limpar e colher o trabalho continuado e o compartilhamento de vontades e olhares, de palavras prontas ou repensadas, que a partir dos rincões vão formando um mosaico, uma trama comum, tão latino-americana."

Revista Biodiversidade, sustento e culturas N° 80 (versión Portugués)

portada79

No Paraguai há perseguição de camponeses, há imposição de cultivos, há contaminação transgênica extrema legal e extensiva, desmatamento extremo, esgotamento dos solos pelo uso indiscriminado de agroquímicos, privatização e contaminação dos corpos d'água, dos poços e dos mananciais, promoção da propriedade intelectual, desigualdade no tratamento fiscal favorável às grandes corporações, promoção de leis nocivas à população, incentivo aos agrotóxicos em que pesem os efeitos comprovados sobre a saúde ambiental e humana a ponto de produzir câncer, leucemia, problemas respiratórios, malformações embrionárias em humanos e animais, severos problemas estomacais, cegueira e morte. Há especulação e aumento do valor da terra, perda da biodiversidade, e grave perda da soberania alimentar e territorial.

Revista Biodiversidade, sustento e culturas N° 79 (versión Portugués)