George Monbiot

El "crecimiento verde" no existe: menos de todo es la única manera de evitar la catástrofe

"No tenemos ninguna esperanza de salir de esta crisis de amplio espectro a menos que reduzcamos drásticamente la actividad económica. La riqueza debe distribuirse -un mundo limitado no puede permitirse a los ricos- pero también debe reducirse. Sostener nuestros sistemas de apoyo a la vida significa hacer menos de casi todo".

El "crecimiento verde" no existe: menos de todo es la única manera de evitar la catástrofe

Não! A volta ao normal, não!

Uma sucessão de enquetes revela: populações rejeitam a “normalidade” que gerou consumismo, destruição, crises e catástrofes. Os donos do mundo querem forçar o regresso a este pesadelo. Mas a saída do labirinto terá de ser anormal.

Não! A volta ao normal, não!

Deixemos morrer quem nos destrói

A pretexto de “salvar a economia e os empregos”, governos socorrem grandes corporações e bancos que quebraram, por especular demais. Muito melhor seria abandoná-los — resgatando o planeta e as chances de transformar a sociedade.

Deixemos morrer quem nos destrói

Não caia no 'greenwashing': a Shell ainda é uma máquina mortífera planetária

As iniciativas da Shell, que seduziram muitos grupos de conservação ambiental, não são nada diante de seu investimento em petróleo e gás.

Não caia no 'greenwashing': a Shell ainda é uma máquina mortífera planetária

- Dimitar Dilkoff/AFP/Getty Images.

"É verdade que o capitalismo e o crescimento econômico que ele impulsiona levaram à prosperidade um grande número de pessoas, ao mesmo tempo em que destruíram a prosperidade de muitos outros: aqueles cuja terra, mão-de-obra e recursos foram tomados para alimentar o crescimento em outros lugares".

Ousemos declarar o capitalismo morto - antes que ele nos destrua

Sistema alimentario mundial

Uma investigação estatística sobre o grande aumento de peso das populações ocidentais, em 40 anos, revela: as causas essenciais são invasão dos ultraprocessados e ideia de que engordar é culpa individual.

A construção social da obesidade

bienes comunes

Por que as sociedades podem livrar dos mercados e do Estado as riquezas essenciais. Que mecanismos permitiriam este passo. Como ele transformaria também a política e o ambiente.

Bens Comuns, antídoto ao Neoliberalismo

Crisis climática

Em comparação com o que poderia ter sido, trata-se de um milagre. Em comparação com o que deveria ter sido, trata-se de um desastre.

A grande promessa de Paris fragilizada por sórdidas questões econômicas