Brasil

Foto: Pixabay

Ondas de calor, secas extremas, enchentes, perda de produtividade humana e agrícola, extinção de espécies e deslocamentos humanos forçados. O cardápio de impactos das mudanças climáticas no mundo – presentes e futuros – é extenso e preocupante. Com o Brasil não será diferente. A segunda parte do 6º Relatório do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas da ONU (IPCC), divulgado na última semana, dedica grande espaço às regiões tropicais e alerta: a Amazônia e o Nordeste brasileiro são altamente vulneráveis às mudanças no clima.

O Brasil no relatório do IPCC – o que podemos esperar do futuro no cenário de mudanças climáticas

Foto: Bruno Kelly | Amazônia Real

Grandes instituições financeiras norte-americanas e brasileiras continuam financiando a destruição da Amazônia, investindo em mineradoras que fazem pressão para operar em territórios indígenas, diz um novo relatório.

De Wall Street à Amazônia: Grande Capital financia desmatamento via mineração

Vista aérea da mina do Piaba, em Godofredo Viana (MA). Foto: Tadzio Coelho

O mandato conferido à vossas excelências não lhes autorizam a aprovar legislações que nos imponham a morte sob a retórica fantasiosa e muito oportunista de que precisamos de Leis de destruição para produzir mais e crescer. Os Projetos que os Senhores e Senhoras estão negociando e tentando aprovar não produzem modernidade, ao contrário, promovem um retrocesso sem precedentes.

Carta manifesto ao Congresso Nacional: legislando para quem e para quê?

Produção orgânica das famílias Sem Terra é prejudicada por pulverização de agrotóxicos de terceiros no Rio Grande do Sul. Foto: Maiara Rauber – MST/RS

Novos ataques com agrotóxico por parte do agronegócio local ocorreram mesmo após decisão, em âmbito federal, proibir pulverizações aéreas em regiões próximas e no assentamento Santa Rita de Cássia.

Deriva de pulverização com agrotóxico em plantio orgânico de assentamento no RS completa 1 ano

No Mato Grosso, grilagem e desmatamento avançam sobre assentamento da reforma agrária

Reportagem do Joio flagra loteamento ilegal em região-chave para o agronegócio. Casas de lazer são anunciadas publicamente no Facebook, com piscina e churrasqueira. Assentados acusam órgãos públicos de abandono no governo Bolsonaro.

No Mato Grosso, grilagem e desmatamento avançam sobre assentamento da reforma agrária

Desmatamento na Amazônia Legal, Estado do Mato Grosso, imagem de 2021. Foto: Kamikia Kisedje/WWF-Brasil

O aumento do desmatamento e da conversão de matas nativas, especialmente para a produção de soja e a pecuária, tem reduzido o habitat da maioria das espécies da Amazônia e do Cerrado.

Avanço da agropecuária no Cerrado e na Amazônia reduz a biodiversidade

Claudelice Santos é defensora ambiental no Pará

Levantamento inédito feito pelo Instituto Igarapé mostrou que oito em cada dez defensoras dos direitos humanos e do meio ambiente sofreram algum tipo de violência — física ou moral — enquanto atuavam na Amazônia brasileira em 2021.

8 em cada 10 defensoras ambientais sofreram violência na Amazônia brasileira, aponta pesquisa

Desastres sócio-sanitário-ambientais do agronegócio e resistências agroecológicas no Brasil

"O livro traz discussões teóricas, empíricas e metodológicas sobre o momento conjuntural da expropriação e exploração da natureza pelo sistema capitalista nacional e internacional, com enfoque nos impactos negativos do agronegócio no ambiente, nos alimentos, nas águas, na saúde física/mental dos trabalhadores(as) e na população rural e urbana".

Desastres sócio-sanitário-ambientais do agronegócio e resistências agroecológicas no Brasil