Brasil

O que é água?

No Dia Mundial da Água, homenageamos e somos gratas e gratos às lideranças e coletividades que protegem e multiplicam os significados do que é água.

O que é água?

Por FASE
Enquanto a soja passa: impactos da empresa Hidrovias do Brasil em Itaituba (PA)

O dossiê reúne denúncias de impactos socioambientais ocasionados pela empresa Hidrovias do Brasil (HDB) em sua atuação na cidade de Itaituba, no Pará. Desde 2015, a empresa tem entre seus acionistas o banco multilateral de desenvolvimento Corporação Financeira Internacional (IFC), braço privado do Banco Mundial. Para receber esse investimento, a empresa fez uma série de promessas para o banco, entre elas, impedir, diminuir ou mitigar os efeitos socioambientais negativos da sua atividade na região.

Enquanto a soja passa: impactos da empresa Hidrovias do Brasil em Itaituba (PA)

Por INESC
Convênio 100/97 reduz em pelo menos 60% a alíquota do ICMS sobre agrotóxicos

O Convênio 100/97 que reduz em pelo menos 60% a alíquota de cobrança do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) a todos os agrotóxicos foi prorrogado em reunião do Ministério da Economia com secretários de Fazenda de todos os Estados em 12 março. Estudo publicado pela Abrasco (Associação Brasileira de Saúde Coletiva) concluiu que, dos cerca de R$ 10 bilhões dos benefícios a agrotóxicos concedidos em 2017, 63,1% se referem ao ICMS. Isso significa que os Estados deixaram de arrecadar R$ 6,3 bilhões.

Bolsa agrotóxico, isenção fiscal e pandemia de coronavírus

Las empresas de aceite de palma vulneran los derechos de las comunidades indígenas en Brasil

El aceite de palma, un cultivo sinónimo de deforestación y conflictos comunitarios en el sudeste asiático, se está abriendo paso en la Amazonia brasileña, donde se plantean los mismos problemas. 

Las empresas de aceite de palma vulneran los derechos de las comunidades indígenas en Brasil

Guardiã de sementes do Paraná: terra, alimento e preservação da vida pelas mulheres

"Com reflexões elaboradas por mulheres de diferentes organizações que se encontram em torno da Rede Sementes da Agroecologia (ReSA), este material é destinado para guardiãs, pesquisadoras, universidades, organizações sociais e toda sociedade que se mostra interessada em preservar esses conhecimentos e a agrobiodiversidade e valorizar um trabalho essencial, e muitas vezes anônimo e pouco reconhecido, de mulheres urbanas, do campo, e da floresta, de diferentes gerações, em selecionar, produzir, armazenar, preservar e adaptar sementes crioulas".

Guardiã de sementes do Paraná: terra, alimento e preservação da vida pelas mulheres

A importância dos polinizadores na produção dos alimentos que consumimos

Você já parou pra pensar na presença dos polinizadores na sua alimentação diária? No café da manhã, no prato do almoço, no lanche da tarde ou naquela visitinha básica à geladeira depois do jantar. Em todas essas ocasiões, muitos dos alimentos que consumimos têm a participação generosa — e fundamental — dos polinizadores em sua formação.

A importância dos polinizadores na produção dos alimentos que consumimos

Foto: Gazeta de Palmeira

Dentro da propriedade de Isac Miola e Vilma Zotti, na Linha Ibiaça, em Dois Vizinhos, está um dos maiores museus de sementes e ramas do Brasil. Eles conservam mais de 300 variedades de sementes de feijão, milho, arroz, amendoins e ervilhas além de ramas de batatas e mandiocas, entre outras.

Casal paranaense está entre os maiores guardiões de sementes do Brasil

Comunidade quilombola localizada em Ananindeua, o segundo município mais populoso do Pará: direito ao território e à vida em xeque (Foto: Catarina Barbosa | Brasil de Fato)

Para Kátia Favila, da Rede Cerrado, não reconhecer comunidades tradicionais ajuda a expulsá-las de territórios cobiçados. Muitos povos tradicionais no Brasil estão “invisíveis” para o poder público e empresas, e isso faz parte de uma estratégia de tomada de seus territórios. O alerta é da antropóloga Kátia Favila, secretária executiva da Rede Cerrado – entidade composta por mais de 50 entidades da sociedade civil e 300 organizações que se identificam com a causa ambiental do bioma.

Tornar povos tradicionais “invisíveis” ajuda a tomar suas terras, diz antropóloga