Crisis climática

Informe Ambiental FARN (IAF) 2021 “Pandemia y crisis ambiental: dos caras de una misma moneda”

"Lo ambiental llegó para quedarse y no hay manera de no vincularlo con la agenda social. Todo proceso de desarrollo tiene que tener un piso de inclusión social y un techo que es el límite planetario”. Con estas palabras, nuestro director ejecutivo, Andrés Nápoli, presentó ayer oficialmente, en un evento virtual y ante una gran audiencia, el IAF 2021, que reúne aportes que proponen encarar los desafíos de la época en el marco de este horizonte. 

Informe Ambiental FARN (IAF) 2021 “Pandemia y crisis ambiental: dos caras de una misma moneda”

Ecuador Carbono Cero = ¿permisos para contaminar?

"Las propuestas Carbono Neutro, Emisiones Netas Cero, y Carbono Cero, son una falacia, no tienen nada que ver con la reducción de emisiones, y son una amenaza para los pueblos, principalmente del Sur. Porque quienes compren los certificados de compensación de carbono ecuatoriano, estarán de facto adquiriendo permisos para dañar la naturaleza y vulnerar derechos en otro lugar; y los usarán como maquillaje verde corporativo. Para que el negocio funcione, el Estado ecuatoriano debe colocar millones de hectáreas del mar, de bosques o de tierras agrícolas, sometidas al régimen de servicios ambientales, lo que puede generar un masivo acaparamiento de áreas naturales y territorios".

Ecuador Carbono Cero = ¿permisos para contaminar?

Fotografía: Ueslei Marcelino/Reuters

La Amazonia brasileña liberó a la atmósfera en la última década casi un 20% más de dióxido de carbono del que absorbió, según un sorprendente informe que muestra que la humanidad ya no puede depender del mayor bosque tropical del mundo para ayudar a absorber la contaminación por carbono provocada por el hombre.

La Amazonia brasileña liberó más carbono del que absorbió en los últimos 10 años

Só em março deste ano a Amazônia Legal registrou um aumento de 216% no desmatamento, comparado ao mesmo mês no ano passado, apontam os dados do Imazon. Foto: Daniel Beltra/Greenpeace

Na Cúpula do Clima, Bolsonaro prometeu aos líderes mundiais dobrar os recursos para fiscalização, mas no dia seguinte cortou R$ 240 milhões de verbas para o meio ambiente.

Desmatamento da Amazônia com Bolsonaro visa a grilagem, aponta dirigente do MST

Desmatar para entregar: o mercado financeiro aterrissa na Amazônia em nome do Clima

"No capitalismo neoliberal, organizado sob o domínio financeiro, praticamente tudo ao nosso redor pode receber o tratamento de um “ativo”, tudo vira capital ou pode ser capitalizado. Não é diferente com a natureza, que, depois de ter direitos próprios reconhecidos em algumas partes do mundo, volta ao status miserável de mero “recurso natural”. Trata-se, na verdade, de um “recurso” cuja exploração não é motivada necessariamente pelo seu emprego na produção de mercadorias, como no passado, mas na sua instrumentalização como ativo no jogo financeiro ou colateral, isto é, garantia, para a alavancagem de créditos. Como propriedade, a natureza serve à mitigação dos riscos de um empreendimento, na esteira das “soluções baseadas na natureza”. Como título, pode respaldar o endividamento público e privado. Assim, o que testemunhamos é o uso irresponsável da Amazônia pelo governo brasileiro como um ativo, isto é, um recurso capaz de mobilizar interesses e muito dinheiro via privatização de grandes fatias do seu território".

Desmatar para entregar: o mercado financeiro aterrissa na Amazônia em nome do Clima

Da Cúpula do Clima: a insustentável leveza do ser sustentável

"A recente Cúpula do Clima foi uma verdadeira jogada de mestre do atual hegemon, os EEUU, o que mais tem a perder nesse caos sistêmico que vivemos. Essa iniciativa é a outra face do Deep State que, até recentemente, buscara afirmar-se com outra estratégia política, com Donald Trump. Ou alguém tem dúvida de que ambos governos têm o mesmo horizonte estratégico inscrito no slogan American First? Afinal, o Deep State é o guardião dessa hegemonia através da lógica territorialista (T-T’) que oferece garantias à lógica capitalista (D-D’), conforme os conceitos da teoria do sistema mundo de Giovani Arrighi. O próprio ziguezague da política estadunidense é um indicador do caos sistêmico que já olha a China (e a Rússia) pelo retrovisor, e já em condição de ultrapassagem. Isso torna o mundo em tensão permanente".

Da Cúpula do Clima: a insustentável leveza do ser sustentável

Cúpula do Clima 2021: que paguem, por uma transição justa!

A Cúpula de Líderes sobre o combate às mudanças climáticas, convocada por Joe Biden, presidente dos Estados Unidos, coincidindo com a celebração do Dia da Mãe Terra (22 e 23 de Abril), foi realizada por videoconferência com a participação de 40 chefes de Estados, de Governos e de altos funcionários de organismos internacionais como o secretário geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres.

Cúpula do Clima 2021: que paguem, por uma transição justa!

Cuanto más se conoce sobre riesgos del cambio climático, más se contamina

Una investigación realizada por el sociólogo mexicano del Centro de Estudios Latinoamericanos de la Universidad Nacional Autónoma de México (UNAM), Omar Ernesto Cano Ramírez, revela que la mitad de las emisiones de gases de efecto invernadero en el mundo ocurrieron entre 1990 y 2020.

Cuanto más se conoce sobre riesgos del cambio climático, más se contamina